Só uma imensa vontade de partilha, para que a todos tudo chegue, me move...tudo o que seja pensado acima desta "fasquia" medida por uma fraqueza humana (EU mesmo) mas confiante na Providência Divina, são meras suposições humanas que eu declino em amor e verdade perante Aquele que "sonda os corações e conhece os pensamentos mais escondidos."


"Sobre os teu muros Jerusalém colocarei sentinelas que dia e noite anunciarão o NOME do SENHOR."


Não faz o obreiro mais do que lhe é devido.


Discípulo do Mestre Jesus Cristo

Servidor do Pai Criador em espírito e verdade

Porque assim quer o PAI que O sirvam

e Adorem

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Excerto de Hoje: O Livro do Conhecimento (Enoch) J.J. Hurtak


O Livro do Conhecimento: Chaves de Enoch  não é um ensinamento canalizado. Não é um livro para ser lido meramente em seqüência, mas uma Coletânea de ensinamentos. Está escrito em um código logo-simbólico que funciona tanto como pictografia e alfabeto, para que cada letra e palavra represente um cenário visual em uma seqüência mais ampla de significado. A sintaxe linguística, baseada em uma lógica multivisionária em vez de mera racional idade formal, é, portanto, única, e requer experiência direta para que seja compreendida. No entanto, está disponível a todos os que buscam o entendimento mais profundo com a visão da mente e a visão do espírito. Na nova dimensão, a união interativa do científico e místico pode ser conhecida como uma experiência transformadora.

J. J. Hurtak

1-0-1

Nós Vivemos em um Universo Múltiplo e Uno.

1-0-2

A mente criadora como o centro deste universo, é conhecida como “Senhor”, “Rei” e “Redentor”

1-0-3

As criações que sobrevivem são criações que desejam que a espécie agregue Vida e Luz na “Imagem e Similitude” da “Evolução Superior”, que é o “Universo Vivo”.

1. Estas são as primeiras três chaves do livro em rolo de Enoch; e quando Enoch programou estas chaves em mim, ele explicou que nós somos uma parte de um universo irrestrito .
2. Sendo parte de um universo irrestrito, nós somos parte de uma mente irrestrita; sendo parte de uma mente irrestrita, nós somos parte de uma imagem universal irrestrita.
3. Se nós observarmos as três primeiras chaves, veremos que no Múltiplo e no Uno existe uma relação de universo para universo, e de universo para muitos universos. Nesta visão de universo para universo e de universo para múltiplos universos, nós vemos que o plano geral de desenvolvimento necessita de uma mente superior.
4. A mente superior é vista como "Senhor", Adonai; "Rei", Melek; e "Redentor", Messiah.
5. O conhecimento da mente viva vem depois que a mente viva de vocês se torna irrestrita.
6. O rolo começa com uma cosmologia irrestrita, em vez de uma cosmologia restrita, pois se ele dissesse na primeira chave: "A mente criadora como o centro deste universo é conhecida como "Senhor", "Rei",  e "Redentor"", ele colocaria todas as galáxias em um só universo.
7. E o Homem, partindo de seu conceito tridimensional de Deus, limitaria Deus àquele universo;
8. E ele argumentaria com seu companheiro sobre o significado de Deus e a definição do "Que é Deus?".
9. É ele o Deus que os antigos teólogos cristãos vêem em termos de Civitas Dei, a Cidade de Deus? É ele Deus em termos do que os Kohanim, os antigos teólogos judaicos, vêem em termos de Melek Shamayyim, ou está Deus além da capacidade de descrição, e assim YHWH significa que ninguém deveria começar a definir o que transcende a definição?
10. Se vocês olharem além da definição, o que vocês vêem? Universo além de universo, vocês vêem o Múltiplo e o Uno ou como os filósofos gregos diriam, o En Kai Pan.
11. E quando vocês vêem o múltiplo assim como o uno, vocês reconhecem que a mais perfeita pluralidade é também a mais perfeita unidade.
12. Entrando no esplendor dos universos (plural) vocês reconhecem um plano de criação superior àquele que pode ser visto neste universo, neste nível de criação.
13. Então, vocês conseguem compreender que se deve transcender todas as teologias e todas as cosmologias que dizem que Deus está somente aqui, neste nível de criação.
14. Pois Deus não está aqui nem lá, nem Po nem Ti como os filósofos gregos diriam. Ele é visto em todos os universos.
15. Portanto, vocês devem abarcar todos os universos para poder ver Deus, mas Ele não pode ser visto na imagem do universo criador de vocês pois Ele está além de todas as imagens.
16. Ele transcende todos os universos, e contudo, todos os universos funcionam coletivamente como o diagrama cerebral da ordem superior da Criação.
17. Por que Deus tem sido colocado à prova? Que ato indigno Ele cometeu para que o homem deva escandalizar Seu Nome em seus próprios laboratórios delusórios? ­
18. Pode a forma perceptiva desta mente planetária ser assim tão vã a ponto de supor que o universo não existe além do escopo de seu próprio corpo tridimensional de matéria-­energia? Ninguém teria falado a respeito do fim desta era, no qual as ilusões de energias-mentais corrompidas cessarão de atuar em pensamentos e formas?
19. Se a mente planetária não puder ver a natureza de Deus e do cosmos dentro do "EU SOU" coletivo de seu corpo evolutivo superior, como determinará seu próprio curso através dos céus a fim de contemplar e declarar a natureza verdadeira e exata da vida que é recriada dentro do universo de Luz Viva? O universo que nos circunda está repleto de emanações que recebem a energia do amor e de limiares de amor, para dentro dos quais o Homem, como Filho do Homem, evoluirá à medida que a vida gera vida e vida eterna.
20. Esta será a Comunhão de Luz que se transformará no corpo eterno de Luz conhecido como a Irmandade de Luz.
21. Portanto, não se apeguem às inversões espirituais da Luz na matéria, da vida em morte, mas despertem a visão de vocês com a luz e o amor e a graça da humildade perante o Magnífico e o Beneficente da Paz Eterna.
22. A segunda chave está dizendo que a Mente Criadora existe não somente como "Senhor", Adonai, mas também como "Rei", Melek, e como "Redentor", Messiah; isto significa que a própria Mente não precisa se encarnar para poder agir como Rei ou Redentor.
23. A Mente pode permanecer onde está e programar em qualquer instrutor de Luz o "Redentor" - Messiah. A Mente pode permanecer onde está e programar em qualquer mestre, tal como Osíris, David, ou Jataka, o reinado das energias soberanas de YHWH.
24. A Mente pode permanecer onde está e programar o "Senhor" ­Adonai, em muitos universos, em muitas galáxias, em muitas estações de vida.
25. O "Rei" - Melek é soberano sobre todos os poderes, principados, e universos galácticos dos Ofanim, dos B'nai Elohim e das Hyos Ha Koidesh, que estão além de nosso nível de inteligência.
26. As ordens superiores de inteligência entendem que o Messias está onde as energias redentoras do Corpo de Luz se manifestam.
27. Quando elas se manifestam dentro de vocês, você são uma parte do Messias coletivo. O Messias coletivo abarca não apenas os cento e quarenta e quatro mil Mestres Ascendidos com os quais este universo físico está familiarizado, mas os de todos os universos físicos que interpenetram este plano físico, e aqueles situados em outras freqüências de luz.
28. Nós devemos compreender, então, que se o homem há de trabalhar com a Mente Criadora, ele deve entender a Mente Criadora como algo além da imagem antropomórfica de uma forma divina tridimensional, além mesmo da forma de Luz do Adam Kadmon, além mesmo da forma Messiânica de Melchizedek.
29. A Mente Criadora é Ehyeh Asher Ehyeh, EU SOU o EU SOU, ou Eu Serei o Eu Serei, uma permanente evolução, uma permanente reconstrução de cada ordem da criação.
30. Se formos participar na atual evolução biocósmica de continuidade e de mudança dentro do contínuo criador da Evolução Superior,
31. devemos libertar-nos de todos os esforços vãos, para acelerar o estabelecimento do "YHWH está Aqui".
32. Este será o grande e arrebatador Sabaoth de Adonai Tsebayoth, o Senhor Deus das Legiões.
33. É a realização criadora de nosso destino. É o motivo pelo qual fomos dotados de nossos múltiplos corpos de relatividade, e é o motivo pelo qual as profecias estão sendo cumpridas nos nossos dias.


quinta-feira, 7 de julho de 2011

Hoje também vi...perturbados



O Mestre via os homens como filhos de Deus e anteviu um futuro magnífico e eterno para aqueles que escolhiam sobreviver. Ele não era um céptico moral; ele via o homem positivamente, não negativamente. Ele via a maioria dos homens como fracos, mais do que como perversos, mais como perturbados do que depravados. Mas, não importando o status deles, eram todos filhos de Deus e irmãos seus. 

entendi esta visão: mais como perturbados do que depravados 
existem dores e vontades que perturbam...e as pessoas ficam ...perturbadas, mais do que outra coisa qualquer.
Quando fazemos algo e nos damos conta que correu mal, normalmente a primeira sensação é de perturbação, sentimo-mos perturbados, e só depois iniciamos todo o resto de emoções.
Mas existem irmãos e irmãs que estão assim todo o tempo ou a maior parte dele: perturbados...sempre.
Não ajudamos se os olhamos vendo algo mais para além da perturbação em que vivem. tal como as emoções que nos chegam depois, também a estes irmãos "lhes pomos muitos adjectivos" rotulando, esquecendo que por muito duro ou horrível até, tudo é efeito de uma perturbação pessoal, interna, que não se resolve, encaixotando....
è preciso tomar consciência da nossa própria responsabilidade, principalmente todos os de nós que cremos e dizemos a toda a hora que
TODOS SOMOS UM
bem hajam



Nenhum mal te atingirá, nenhum flagelo chegará à tua tenda,
porque aos seus anjos ele mandou que te guardem em todos os teus caminhos.
Eles te sustentarão em suas mãos, para que não tropeces em alguma pedra.
Sobre serpente e víbora andarás, calcarás aos pés o leão e o dragão.
Pois que se uniu a mim, eu o livrarei; e o protegerei, pois conhece o meu nome.
Será favorecido de longos dias, e mostrar-lhe-ei a minha salvação".
Quando me invocar, eu o atenderei; na tribulação estarei com ele. Hei de livrá-lo e o cobrirei de glória.
( Salmo 91)





quarta-feira, 6 de julho de 2011

Recordando ...os passos...


(...)Tiraste-me tudo, numa terminologia humana e deste-me tudo numa terminologia espiritual.
E eu esforço-me por receber, ainda que bem saiba que poderia fazer melhor...podemos sempre.
Sei quem sou, e o que faço, não quero com isso dizer que creio sempre nisto. Porque a minha mente ainda pesadamente humana chama-me à razão constantemente, e é por essa razão mesmo que sou assim. Não correr levantando voo, nem parar e adormecer. E porque sei quem sou e o que faço, a todo a hora sou lembrado da minha condição carnal, humana, limitada, presa, tentada.
Deste-me uma compreensão dos factos e sentimentos que nos vinculam a todos pelo que somos e não pelo que pensamos ser que me ofertas a condição de eremita social, por conseguir ver. Pois, o mundo não nos pertence, Pois O “Teu Reino não é deste Mundo”, mas foi neste mundo que “colocaste sentinelas que dia e noite anunciam o Teu Nome.” Porque é neste mundo que todos pelejamos.
Preparaste-me “desde o ventre da minha mãe” para ser nada, e “desde a juventude que és a minha confiança” que nada serei.
Esvaziei-me completamente e vazio percorro o tempo. Saudades das estrelas e dos tempos que não consigo recordar mas que SEI.
Já sem nada, no mesmo mundo que sei que nunca pertenci, que todos os indícios, que são meus e pessoais, me dizem isso mesmo, que todo o percurso desde o 1º minuto, as circunstâncias, me trouxeram aqui e agora, para confirmar o que sempre soube…que sou nada. E que nada serei. Com todas as possibilidades e capacidades e variedades…nada serei. Pois ser Teu ocupa-me de tal forma o ser que não posso ser mais nada e nada serei se não for em Ti.
De Tudo tive de me esvaziar para Te poder receber. E vazio Sou em Ti, Porque Tu me preenches.
Nada posso explicar porque as palavras são supérfluas, quando as nossas conversas decorrem no silêncio que fala.
Como pôr palavras em frases silenciosas que se entendem mas não se exprimem?
Mas quero que saibas uma coisa. É por Ti que estou aqui, e que por cá continuo até Me chamares de volta. Pois sabes bem que por mim, já nada mais tenho a fazer aqui. 
Um dia disseste-me que se não me centrasse ao que vinha naquela mesma noite partiria. Porque, se não cumprisse ao que vinha não estava cá a fazer nada. Nessa altura não entendi nada como sabes. 
13 anos passaram.

Deste-me esta condição humana; sabes o que sofro nesta pele? Amo os meus irmãos e irmãs e se pudesse abraçava-os todos num enorme abraço espiritual e sussurrava-lhes as Tuas maravilhas aos seus corações, mas estou cansado, e mesmo cansado o faria e retornaria a fazer e vezes e vezes sem conta se soubesse ser o bastante.
Não vejo nada. E nada realizo.
 “nos tempos modernos, as grandes pregações perderam o seu lugar, agora é tempo de um a um, olhos nos olhos, coração no coração, acederem ao sentido cósmico e divino das suas existências”,  Cristo  é a Luz que Guia e orienta, o Espírito “insufla”  e fecunda, o Pai Cria e protege, A Trindade tudo sustenta e realiza. E os grandes obreiros e guerreiros, são aqueles homens e aquelas mulheres que, pela sua visão ampla e voltada para o futuro, e, pelo discernimento da sua luz interna, ousarão construir uma nova e atraente filosofia de vida, partindo dos conceitos modernos, subtilmente integrados, da verdade cósmica, da beleza universal e da bondade divina. Uma tal visão, nova e recta, da moralidade, atrairá tudo o que existir de bom na mente do homem e convocará o que houver de melhor na alma humana."

 “Ninguém se engane a si mesmo. Se alguém dentre vós se julga sábio à maneira deste mundo, faça-se louco para tornar-se sábio, porque a sabedoria deste mundo é loucura diante de Deus; pois (diz a Escritura) ele apanhará os sábios na sua própria astúcia.”

Então é imperativo perguntar Meu SENHOR, o que sou eu, louco ou sábio, e se sou uma ou outra coisa, sou-o para Ti ou para o mundo?

( Está-me a custar tanto esta recta final ou Meu Senhor…ai se eu pudesse…e ainda assim posso…mas não quero…e o que quero, Tu não deixas…eu que só quero servir-Te…mas ainda assim outra vez, talvez a meu modo.
Sei que sou capaz; já o fiz noutras vidas…foi só o que fiz e com toda a vontade porque outra coisa não sei fazer. Mas nesta derradeira descida queres que eu cuide de mim e de alguns (poucos que me envias) …

Mas Tu conheces-me, Tu sabes que eu nunca soube cuidar de mim.Começo sempre bem...mas a meio esqueço-me...nos outros.
Sempre me entreguei nos Teus braços e Sempre me senti por Ti carregado e a mostrares-me como cuidavas das minhas coisas…
Não houve um único momento da minha vida, em alegria ou tristeza que eu me não entregasse nos Teus braços…mas este é só o meu ponto de vista.
Sabes bem porque escrevo tudo isto neste momento…
Já fui abalado “nas fundações” vezes sem conta nesta vida…mas desta vez…ou é a ultima (o que Te agradeço desde já) ou então, ouso colocar-Te uma questão absurda; Ter-te-ás enganado?
É obvio que não.
Mesmo assim gostava de ver “uma LUZ” no fundo deste túnel e de preferência que sejas TU.
Sou Teu servidor meu Senhor, e se não devo questionar não mais o farei, acerca deste assunto…mas ainda assim…se estou onde devia estar, mas se o que me trouxe cá me descentrou o caminho…
Obrigado Pai Santo, acabei de “ver a resposta”…”muita coisa é feita numa só vez, e um inicio de um bem maior, pode perfeitamente surgir de um mal menor…” )

"...portanto, esforcem-se por viver o amor e procurem também alcançar os dons espirituais, sobretudo o dom de falar em nome de Deus."
I Coríntios 14

1. Eu vos exorto, pois, irmãos, pelas misericórdias de Deus, a oferecerdes vossos corpos em sacrifício vivo, santo, agradável a Deus: é este o vosso culto espiritual.
2. Não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso espírito, para que possais discernir qual é a vontade de Deus, o que é bom, o que lhe agrada e o que é perfeito.
3. Em virtude da graça que me foi dada, recomendo a todos e a cada um: não façam de si próprios uma opinião maior do que convém, mas um conceito razoavelmente modesto, de acordo com o grau de fé que Deus lhes distribuiu.
4. Pois, como em um só corpo temos muitos membros e cada um dos nossos membros tem diferente função,
5. assim nós, embora sejamos muitos, formamos um só corpo em Cristo, e cada um de nós é membro um do outro.
6. Temos dons diferentes, conforme a graça que nos foi conferida. Aquele que tem o dom da profecia, exerça-o conforme a fé.
7. Aquele que é chamado ao ministério, dedique-se ao ministério. Se tem o dom de ensinar, que ensine;
8. o dom de exortar, que exorte; aquele que distribui as esmolas, faça-o com simplicidade; aquele que preside, presida com zelo; aquele que exerce a misericórdia, que o faça com afabilidade.
9. Que vossa caridade não seja fingida. Aborrecei o mal, apegai-vos solidamente ao bem.
10. Amai-vos mutuamente com afeição terna e fraternal. Adiantai-vos em honrar uns aos outros.
11. Não relaxeis o vosso zelo. Sede fervorosos de espírito. Servi ao Senhor.
Ámen

Servidor

Mensagem que retirei deste blog...visitem...



imagem retirada da internet



Sim, era de crer-se que o resultado do esforço no Bem fosse diferente.


A serviço do ideal libertador e abraçando a caridade, seria de esperar-se por menos dores e incompreensões, por melhor colheita de frutos de alegria.

Isso, no entanto, seria um engodo proporcionado pela vida.

O missionário sempre enfrenta os piores desafios.

Quem abre estradas defronta maiores obstáculos.

Aquele que recupera solos áridos sofre dificuldades reais expressivas.

Quando alguém se põe a drenar pântanos e águas putrefatas, não se pode furtar à presença dos odores nefastos nem da lama pestilenta.

Todo aquele que se dispõe a alterar a paisagem moral da sociedade é sempre considerado excêntrico, quando não se torna vítima de contínuas agressões e combates.

É natural que assim ocorra, porquanto o processo de alteração dos conceitos morais e da conduta pessoal faz-se, normalmente, penoso.

Qualquer mudança no organismo social para rnelhor, ocorre de maneira dolorosa, e os seus promotores são perseguidos com acrimônia e perversidade.

Não estranhes a imensa colheita de amarguras do momento.

Todo apóstolo do progresso, da beleza e da fé experimenta a imolação, a fim de modificar o grupo no qual se movimenta.

O mesmo ocorre contigo.

Não te deixes desgastar emocionalmente com as ocorrências infelizes que têm lugar à tua volta.

Mantém o ânimo e avança em paz.

Não fosses idealista, e não te encontrasses na ação cristã, sofrerias outras circunstâncias perturbadoras.

Observa aqueles que parecem triunfadores e felizes, aplaudidos e bajulados, quando passam os seus dias de aparente triunfo e vê-los-ás abandonados, vencidos, atormentados...

A Terra é planeta de provas, portanto, a luta é labor incessante.

Quando estejas cansado, renova-te pela prece.

Quando te sintas aturdido pelas ocorrências desagradáveis, recorre à meditação.

Quando te descobrires com estresse e mau humor, recupera-te pensando em Jesus e buscando-O

Não estás a sós. Seres amados te envolvem nas dúlcidas vibrações que te sustentam as energias, te preservam a saúde e te vitalizam a disposição para continuares servindo.

Já te imaginaste em ociosidade dourada, ou em festas ruidosas, ou em recreações contínuas?

Renasceste para o serviço, pois que aceitaste a tarefa como terapia salvadora.

Provéns de comportarnentos anteriores que te alienaram, que te comprometeram.

Hoje é o teu dia de servir.

Não te arrependas da opção elegida.

Dia virá em que as circunstâncias se alterarão e será então época própria para colher a luz que espalhas e o amor que incutes em outras vidas.

Ninguém até hoje se revelou maior servido do que Jesus.

Seu exemplo rutila através dos tempos, iluminando vidas incontáveis.

Ele nunca se queixou, porque sabia que as criaturas humanas ainda se encontram na infância espiritual.

Toma-O como teu modelo e segue adiante.

Quanto mais extenuantes as refregas, mais expressivas se fazem as vitórias.

O servidor está sempre a postos, jovial e bom, ensinando com o exemplo e cantando o hino da alegria de que se sente possuído.

Serve, sem cessar, e prossegue sem enfado e sem desencanto.

És construtor do futuro, no qual Jesus te aguarda para o memorável encontro..


pelo Espírito Joanna de Ângelis - Página psicografada pelo médium Divaldo P. Franco, em 25-11-1996, no Centro Espírita Caminho da Redenção, em Salvador-BA

Excerto de Hoje:O Livro de Guerra dos Filhos da Luz (Sidur Essênio para a Batalha Espiritual)




A todos os netsarim

Os Pilares da Fé Essênia

Os essênios tinham em sua fé os seguintes elementos principais, que eram o pilar de suas crenças:

1 - A pureza, tanto de caráter quanto cerimonial, devido à alta importância da
missão que lhes tinha sido confiada;
2 - A sua missão, como filhos de Tsadok, detentores da ordem de Malki-Tsedek, de preservarem a verdade para Yisra'el, especialmente para o fim dos tempos;
3 - A espera do retorno de Malki-Tsedek, tido por eles como o próprio Elohim, que lhes levaria a uma batalha final contra as forças de Beli'al.
4 - A correta observância da Torá e dos Moadim;
5 - O serviço a YHWH em meio aos anjos;
6 - A batalha espiritual contra os espíritos malignos;

É justamente nesse sexto pilar da fé essênia que se baseia este material de orações para batalha espiritual.

Os Essênios e a Batalha Espiritual

Os essênios criam que os anjos estão bem presentes em nosso dia-a-dia, tanto os anjos de YHWH em meio àqueles que O adoram, quanto os servos de Beli'al, em meio àqueles que vivem em pecado.
Criam ainda que a batalha espiritual por meio da oração era absolutamente fundamental para a libertação das influências malignas.


O termo “essênio” vem do hebraico assa'im, ou, os “curadores.” Isso reflete a sua visão de que Yisra'el estaria adoecido por duas razões: sua falta de compromisso para com a Torá, e pela ausência de uma batalha espiritual contra as forças de Beli'al.
Assim sendo, a dupla-natureza da missão dos assa'im se revela no seu nome. Por meio da batalha espiritual, os essênios visavam a cura, tanto física, quanto espiritual do povo. Não é à toa que Micha'el e Refa'el têm papéis proeminente na vida espiritual dos essênios, sendo mensageiros de YHWH para a libertação e para a cura.

Com esse pano-de-fundo, não é de se admirar que nenhum outro segmento judaico produziu tanto material focado na batalha espiritual quanto os essênios. Sua experiência milenar de batalhas contra as forças das trevas serve como instrução e inspiração para todos os que se engajam em batalhas dessa natureza no seu dia-a-dia. Como herdeiros espirituais dos assa'im, nós netsarim temos nestas orações um verdadeiro tesouro para os últimos dias, que não está nos sendo revelado sem um propósito maior por parte de Malki-Tsedek.



Cântico para Proteção

1 - Primeira Invocação

Àquele que é digno de todos os louvores. Bênçãos para o Rei da Glória. Palavras de ação de graças em salmos de louvor e adoração ao Elohim do conhecimento, Esplendor do poder, o Elohim dos anjos, YHWH que é sobre todos os k'doshim. Seu domínio é sobre todos os poderosos e fortes, e pelo poder da Sua força todos
serão aterrorizados e dispersados, correndo apressadamente da majestade da morada de Sua glória real.
E eu, o instrutor, proclamo o Seu glorioso esplendor de modo a atemorizar e aterrorizar todos os espíritos dos anjos destruidores, espíritos dos bastardos, demônios, Lilith, uivadores, e habitantes das regiões áridas, e aqueles que caem sobre os homens subitamente para desviá-los da Ruach do entendimento, e para fazer o seu coração e a sua alma desolados durante o presente domínio da iniquidade e o tempo apontado da humilhação dos filhos da luz por razão da
culpa das eras daqueles que foram abatidos pela iniqüidade - mas não para destruição eterna, mas para uma era de humilhação do pecado, através da vitória sobre os espíritos malignos.
Cantai de júbilo, oh justos, ao Elohim de prodígio. Meus salmos são para os retos. E que todos os que são inocentes O exaltem! Com a lira da salvação, eles abrirão suas bocas pela misericórdia de Elohim.
Eles buscaram o Seu maná.
Salva-me, oh Elohim, Tu que preservas a misericórdia em verdade para toda a Sua criação e julgas em justiça aqueles que existirão para sempre até a eternidade. Ele julga no conselho dos anjos e dos homens. Nas alturas dos céus está a Sua repreensão, e em todas as fundações da terra, os juízos de YHWH são executados sobre os iníquos.

(Fonte: 4Q510 Frag. 1, 4Q511 Frag. 10)



E ele me disse: "Este primeiro é Micha'el, o misericordioso e longânimo. E o
segundo, que é apontado sobre todas as enfermidades e feridas dos filhos dos
homens, é Rafa'el. E o terceiro, que é apontado sobre todos os poderes, é
Gavri'el. E o quarto, que é apontado sobre o arrependimento para a esperança
daqueles que herdarão a vida eterna, é chamado de Uri'el." E estes são os quatro
anjos de YHWH Tseva'ot e as quatro vozes que ouvi naqueles dias.
(Fonte: Chanoch/Enoque 40)

terça-feira, 5 de julho de 2011

Uff...descontrair é preciso......gostava que entendesses..



Tantas vidas já passadas e o ser continua ansiando pelo mesmo…voltar a casa.
Há momentos em que a saudade do que não lembro é devastadora. E assim mesmo é porque grande será a felicidade e plenitude que já conheci…pois a forma como o meu Ser por vezes a suplica não se pode comparar a nada deste mundo.
Claro que isto são momentos nostálgicos que se apresentam, normalmente e não nos deixam perder o “norte” do que somos e para onde vamos. ...e ao que viemos...
Porque o resto do tempo, temos que estar bem presentes aqui e agora, onde se fazem os momentos. Porque é de momentos que se constrói a vida. E de momentos de todas as cores e dores e origens.
Fica maior a vida assim vivida: sem medo de expressar as fraquezas que nos tornam fortes…
e se outros encontrar já melhor poderei AMAR

….” Ama-me…leva-me… para lá do meu horizonte…fala-me de AMOR…

Conversas Contigo XXVII - OS PERIGOS DA AUTO GRATIFICAÇÃO



A grande ameaça contra a vida familiar é a inquietante maré montante de auto gratificação, a mania moderna do prazer. O incentivo primordial ao matrimónio costumava ser económico; a atracão sexual era secundária. O matrimónio, baseado na auto manutenção, conduziu à auto preservação e, concomitantemente, trouxe uma das formas mais desejáveis de auto gratificação. É a única instituição da sociedade humana que engloba todos os três grandes incentivos da vida.
Originalmente, a propriedade era a instituição básica da auto manutenção, enquanto o matrimónio funcionava como a instituição de auto perpetuação singular. Apesar de a satisfação trazida pela
comida, pelos jogos e pelo humor, bem como o deleite do sexo periódico serem meios de auto gratificação, continua sendo um facto que os costumes em evolução houvessem fracassado em edificar qualquer outra instituição de auto gratificação. E é devido a esse fracasso, de fazer evoluir técnicas especializadas de desfrutes agradáveis, que todas as instituições humanas estão completamente impregnadas dessa busca do prazer. A acumulação de propriedades está-se tornando um instrumento para aumentar todas as formas de auto gratificação e, ao mesmo tempo, o matrimónio muitas vezes é visto apenas como um meio para o prazer. E essa indulgência
excessiva, essa mania de prazer, tão amplamente disseminada, constitui agora a maior ameaça jamais dirigida à instituição evolucionária social da vida familiar: o lar. A raça violeta introduziu uma característica nova na experiência ainda imperfeitamente realizada da humanidade: o instinto lúdico, combinado ao senso de humor. Ele existia, em uma certa medida, entre os sangiques e os andonitas, mas a linhagem Adâmica elevou essa propensão
primitiva até o auge do potencial do prazer, uma nova e glorificada forma de auto gratificação. O tipo básico de auto gratificação, afora o apaziguamento da fome, é a gratificação sexual, e essa forma de prazer sensual foi enormemente elevada com a mistura dos sangiques e dos anditas. Há um perigo real na combinação da inquietação, da curiosidade, da aventura e do abandono ao prazer, característicos das raças pós-anditas. A fome da alma não pode ser satisfeita por meio dos prazeres físicos; o amor do lar e das crianças não aumenta com uma busca pouco sábia do prazer. Embora possais exaurir os recursos da arte, da cor, do som, do ritmo, da música e dos adornos pessoais, não podeis, com isso, esperar elevar a alma ou nutrir o espírito. A vaidade e a moda nada podem conferir à edificação do lar e à educação dos filhos; o orgulho e a rivalidade são impotentes para elevar as qualidades de sobrevivência das gerações que se sucedem.
Todos os seres celestes em avanço desfrutam do repouso e da ministração dos directores da reversão. Todos os esforços para obter diversões sadias e para praticar jogos que elevam são saudáveis; o sono restaurador, o repouso, a recreação e todos os passatempos que evitam o enfado da monotonia valem a pena. Os jogos competitivos, as narrativas de histórias e mesmo o gosto da boa comida podem-se constituir em formas de auto gratificação. (Quando usais o sal para dar sabor à comida, pausai e considerai que, durante quase um milhão de anos, o homem apenas podia obter o sal mergulhando o seu alimento nas cinzas.) Que o homem goze a vida; que a raça humana encontre o prazer de mil e uma maneiras; que a humanidade evolucionária explore todas as formas da auto gratificação legítima, fruto da longa
luta biológica de elevação. O homem fez por onde ganhar alguns dos seus júbilos e prazeres actuais. Prestai, porém, muita atenção à meta do destino! Os prazeres são suicidas, de facto, se tiverem êxito em destruir a propriedade, que se tornou a instituição da auto manutenção; e as auto gratificações terão de facto custado um preço fatal, se acarretarem o colapso do matrimónio, a decadência da vida familiar e a destruição do lar a aquisição evolucionária suprema do homem,
e a única esperança de sobrevivência da civilização.

[Apresentado por um dos Serafins, entre vós.]
 פֵהֵל PeHeLa guardião da religião, moral, e teologia Divina te Saúdo na Paz e na Luz Daquele que tudo realiza e te digo... A Paz do Eterno vos envolva  

(como pedido assim é feito) 
Bem hajam na luz e com a Luz 
P.S. todos os post's que têm por titulo "Conversas Contigo" ou "Conversas no Silêncio" são por mim formatados e inseridos. Esta é a parte que me cabe em reconhecimento de Autoria.

Conversas Contigo XXVI - A PARCERIA HOMEM / MULHER



O impulso da reprodução leva infalivelmente os homens e as mulheres a unirem-se para a auto perpetuação, mas, por si só, ele não assegura que permaneçam juntos, em cooperação mútua na fundação de um lar. Todas as instituições humanas de êxito abrangem antagonismos de interesse pessoal, ajustados na harmonia para a prática do trabalho; e os trabalhos de casa não são excepção. O matrimónio, a base da edificação do lar, é a mais alta manifestação dessa cooperação entre antagonistas, que tão frequentemente caracteriza os contactos da natureza e da sociedade. O conflito é inevitável. O acasalamento é inerente e é natural. O matrimónio, contudo, não é biológico; é sociológico. A paixão assegura que o homem e a mulher se reúnam, mas o instinto, menos forte, da paternidade e os costumes sociais mantêm-nos juntos. Se considerados praticamente, o macho e a fêmea são duas variedades distintas da mesma espécie; vivendo em associação próxima e íntima. Os seus pontos de vista e reacções vitais são todos essencialmente diferentes; eles são totalmente incapazes de uma compreensão mútua, plena e real. Um entendimento completo entre os sexos não é alcançável. As mulheres parecem ter mais intuição do que os homens, mas parecem também ser um tanto
menos lógicas. A mulher, contudo, tem sempre sido o esteio moral e tem tido a liderança espiritual da humanidade. É a mão que embala o berço e que ainda confraterniza com o destino. As diferenças de natureza, de reacção, de ponto de vista e de pensamento, entre os homens e as mulheres, longe de ocasionar preocupação, deveriam ser consideradas como altamente benéficas à humanidade, tanto individual quanto colectivamente. Muitas ordens de criaturas do universo são criadas em fases duais de manifestação de personalidade. Essa diferença é descrita como o macho e a fêmea, entre os mortais, entre os Filhos Materiais e entre os midsonitas; entre os serafins, os
querubins e os Companheiros Moronciais, tem sido denominada positiva ou activa, e negativa ou reservada. Tais associações duais multiplicam grandemente a versatilidade e superam limitações
inerentes, como o fazem algumas associações trinas no sistema do Paraíso. Os homens e as mulheres necessitam uns dos outros, nas suas carreiras moronciais e espirituais, exactamente como nas suas carreiras mortais. As diferenças de ponto de vista entre o macho e a
fêmea perduram mesmo além da primeira vida e durante as ascensões do universo local e do superuniverso. E, mesmo em caminho ao “Paraíso”, os peregrinos que uma vez foram homens e mulheres ainda
estarão ajudando-se mutuamente nessa ascensão. Nunca, mesmo no Corpo de Finalidade, a criatura irá metamorfosear-se tanto, a ponto de obliterar os traços de personalidade que os humanos chamam de masculinos e de femininos; sempre essas duas variações básicas da
humanidade continuarão a intrigar, a estimular, a encorajar e a ajudar-se mutuamente; sempre serão mutuamente dependentes da cooperação para a solução dos problemas desconcertantes do universo e para a superação das múltiplas dificuldades cósmicas. Embora os sexos nunca possam esperar entender-se mutuamente, eles são efectivamente
complementares e, embora a cooperação seja com frequência mais ou menos antagónica pessoalmente, ela é capaz de manter e de reproduzir a sociedade. O matrimónio é uma instituição destinada a compor as diferenças dos sexos, ao mesmo tempo em que efectua a continuação da civilização e assegura a reprodução da raça. O matrimónio é a mãe de todas as instituições humanas, pois conduz directamente à fundação e à manutenção do lar, que é a base estrutural da sociedade. A família está vitalmente ligada ao mecanismo da auto preservação; é a única esperança de perpetuação da raça sob os costumes da civilização e ao mesmo tempo provê, de modo muito eficaz, algumas formas de auto gratificação bastante satisfatórias. A família é a mais elevada realização puramente humana, combinando, como o faz, a evolução das relações biológicas do macho e da fêmea nas relações sociais entre o marido e a esposa.  O acasalamento sexual é instintivo, os filhos são o resultado natural e, assim, a família automaticamente vem à existência. Tais como são as famílias da raça ou da nação, assim é a
sociedade. Se as famílias são boas, do mesmo modo a sociedade o é. A grande estabilidade cultural do povo judeu e dos chineses repousa na força dos seus grupos familiares. O instinto que a mulher tem de amar as crianças, e de cuidar delas, conspirou para fazer da
mulher a parte interessada em promover o casamento e a vida familiar primitiva. O homem foi forçado à edificação do lar apenas pela pressão dos costumes mais recentes e das convenções sociais; ele demorou a interessar-se pelo estabelecimento do matrimónio e do lar, porque o acto sexual não lhe impõe consequências biológicas.
A associação sexual é natural, mas o matrimónio é social, e tem sido sempre regulado pelos costumes. Os costumes (religiosos, morais e éticos), junto com a propriedade, o orgulho e o cavalheirismo, estabilizam as instituições do matrimónio e da família. Sempre que os costumes flutuam, há uma flutuação na estabilidade da instituição do lar-matrimônio. O matrimónio está actualmente passando da era da propriedade para a era pessoal. Anteriormente, o homem protegia
a mulher porque ela era uma posse sua, e ela lhe obedecia pela mesma razão. Independentemente dos seus méritos, esse sistema trouxe a estabilidade. Agora, a mulher não mais é encarada como uma propriedade, e estão emergindo novos costumes, destinados a estabilizar a instituição do matrimônio-lar:
1. O novo papel da religião o ensinamento de que a experiência de progenitores é essencial, a ideia de procriar cidadãos cósmicos, a compreensão ampliada do privilégio da procriação de dar filhos ao Pai.
2. O novo papel da ciência a procriação está tornando-se mais e mais voluntária, sujeita ao controle do homem. Nos tempos antigos, a falta de compreensão assegurava o aparecimento de filhos, na ausência de qualquer desejo de tê-los.
3. A nova função das atracões do prazer isso introduz um novo factor à sobrevivência racial; o
homem antigo levava os filhos não desejados à morte; os modernos recusam-se a concebê-los.
4. A elevação do instinto de paternidade. Cada geração agora tende a eliminar, da corrente de reprodução da raça, aqueles indivíduos para os quais o instinto paternal não é forte o suficiente para assegurar a procriação dos filhos, os pais prospectivos da geração seguinte.
Contudo, o lar como uma instituição, uma parceria entre um homem e uma mulher, data mais especificamente dos dias da Dalamátia, há cerca de meio milhão de anos; as práticas monogâmicas de Andon e dos seus descendentes imediatos haviam sido abandonadas tempos
atrás. Contudo, não havia muito para se orgulhar da vida familiar, antes dos dias dos noditas e dos posteriores adamitas. Adão e Eva exerceram uma influência duradoura sobre toda a humanidade; pela primeira vez, na história do mundo, os homens e as mulheres foram vistos trabalhando lado a lado no Jardim. O ideal Edênico de toda uma família de jardineiros era um novo ideal neste planeta. A família primitiva englobava um grupo ligado pelo trabalho, incluindo os escravos, todos morando em uma única habitação. O matrimónio e a vida familiar não têm sempre sido idênticos, mas, por necessidade, ambos têm estado estreitamente relacionados. A mulher sempre quis a
família individualizada e, finalmente, ela ganhou o caminho para tanto. O amor da progênie é quase universal e tem um valor especial para a sobrevivência. Os antigos sempre sacrificavam os interesses da mãe pelo bem-estar do filho; uma mãe esquimó, ainda hoje, lambe o seu bebé, em vez de lavá-lo. As mães primitivas, contudo, apenas nutriam e cuidavam dos seus filhos quando eram muito jovens e, como os animais, descartavam-nos tão logo cresciam. As ligações humanas duradouras e contínuas nunca têm sido baseadas apenas em afectos biológicos. Os animais amam os seus filhos; o homem o homem civilizado ama os filhos dos seus filhos. Quanto mais elevada for a civilização, maior o contentamento dos pais com o
progresso e o êxito dos filhos; assim, vem à existência a realização nova e mais elevada do orgulho do nome. As famílias grandes, entre os povos antigos, não eram necessariamente sentimentais. Ter muitos filhos era uma coisa desejada, porque:
1. Eles eram valiosos como trabalhadores.
2. Os filhos eram a segurança para a velhice.
3. As filhas eram vendáveis.
4. O orgulho da família exigia que o nome fosse expandido.
5. Os filhos proporcionavam protecção e defesa.
6. O medo dos fantasmas gerava o pavor da solidão.
7. Algumas religiões exigiam uma progênie.
Os adoradores dos ancestrais viam a ausência de filhos como a calamidade suprema para todo o tempo e para a eternidade. Eles desejavam, acima de tudo o mais, ter filhos que oficiassem nas festas depois da morte, para oferecerem os sacrifícios exigidos pelo progresso dos fantasmas na terra dos espíritos. Em meio aos selvagens antigos, a disciplina dos filhos começava muito cedo; e a criança
compreendia também cedo que a desobediência significava o fracasso, ou mesmo a morte(…) A vida familiar é a progenitora da verdadeira moralidade, é o ancestral da consciência da lealdade ao dever. As associações forçadas de vida familiar estabilizam a personalidade e estimulam o seu crescimento por meio da obrigação de um ajuste indispensável às outras personalidades diversas. E ainda mais, uma verdadeira família uma boa família revela aos pais procriadores a atitude do Criador para com os seus filhos, ao mesmo tempo em que esses verdadeiros pais transmitem aos seus filhos a primeira de uma longa série de revelações ascendentes do amor do Pai, do Paraíso, de todos os filhos do universo.

 פֵהֵל PeHeLa guardião da religião, moral, e teologia Divina te Saúdo na Paz e na Luz Daquele que tudo realiza e te digo... A Paz do Eterno vos envolva  

(como pedido assim é feito) 
Bem hajam na luz e com a Luz 
P.S. todos os post's que têm por titulo "Conversas Contigo" ou "Conversas no Silêncio" são por mim formatados e inseridos. Esta é a parte que me cabe em reconhecimento de Autoria.